sábado, 5 de maio de 2007

60 euros por um “convívio”... em brasileiro

New York Times, Al Jazeera, Le Monde, Washington Post, CNN, e todos os outros, esqueçam o Pulitzer este ano. O prémio já está reservado para esta reportagem...


(Ok, já clickaram no Link e já leram tudo? Já voltaram? Óptimo, vou continuar então...)


Fiquei fascinado ao ler, de pavio a pavio, este artigo do Jornal Diário. Não pelo trabalho em si, mas pelos preços praticados pelas “entrevistadas”.


Após a leitura, e depois de uma reflexão aprofundada, cheguei a uma conclusão interessante relativamente às quantias exigidas pelas profissionais da feitura do amor: o preço que levam não depende do serviço que prestam, mas da língua que falam ou pronúncia que usam.


Dou-vos um exemplo: imaginem que temos duas senhoras, mas que uma nasceu no Brasil e a outra em São Miguel. A que veio do Brasil, ganhou à nascença o direito inato de usar palavras como “Bumbum” em frases como “tenho uma cintura fina e um bumbum arredondado”.


A que nasceu em São Miguel, coitada, terá de usar a palavra “rabo”, tendo de proferir a frase numa pronúncia micaelense: “Hé hóm, ê tenh uma cintura fina e um ráb rdond”.


Conclusão, a brasileira pode dar-se ao luxo de cobrar 20 euros a mais só para usar o “bumbum”... e a palavra também.


3 comentários:

ticha 07/05/2007, 03:15:00  

Po eh helder...

picha 07/05/2007, 12:03:00  

antes não dizer nada

Andreia 07/05/2007, 14:18:00  

Homem que é homem, prefere um "rabo redondo" de uma micaelense do que um "bumbum" de uma brasileira...é ou não é?!

  © Blogger template 'Grease' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP